26 janeiro 2010

Os 7 pecados capitais


Certo dia um casal ao chegar do trabalho encontrou algumas pessoas dentro de sua casa. Achando que eram ladrões ficaram assustados, mas um homem forte e saudável, com corpo de halterofilista disse:
- Calma pessoal, nós somos velhos conhecidos e estamos em toda parte do mundo.
- Mas quem são vocês? - pergunta a mulher.
- Eu sou a Preguiça! - responde o homem másculo - Estamos aqui para que vocês escolham um de nós para sair definitivamente da vida de vocês.
- Como pode você ser a preguiça se tem um corpo de atleta que vive malhando e praticando esportes? - indagou a mulher.
- A preguiça é forte como um touro e pesa toneladas nos ombros dos preguiçosos, com ela ninguém pode chegar a ser um vencedor.
Uma mulher velha curvada, com a pele muito enrugada que mais parecia uma bruxa diz:
- Eu, meus filhos, sou a Luxúria.
- Não é possível! - diz o homem - Você não pode atrair ninguém com essa feiúra.
- Não há feiúra para a luxúria queridos. Sou velha porque existo a muito tempo entre os homens,
sou capaz de destruir famílias inteiras, perverter crianças e trazer doenças para todos até a morte. Sou astuta e posso me disfarçar na mais bela mulher.
Um mau cheiroso homem, vestindo uns maltrapilhos de roupas, que mais parecia um mendigo diz:
- Eu sou a cobiça, por mim muitos já mataram, por mim muitos abandonaram famílias e pátria, sou tão antigo quanto a Luxúria, mas eu não dependo dela para existir. Tenho essa aparência de mendigo porque por mais bem vestido que me apresente, por mais rico que seja sempre vou querer o que não me pertence.
- E eu, sou a Gula.- diz uma lindíssima mulher com um corpo escultural e cintura finíssima, seus contornos eram perfeitos e tudo no corpo dela tinha harmonia de forma e movimentos.
Assustam-se os donos da casa, e a mulher diz:
- Sempre imaginei que a gula seria gorda.
- Isso é o que vocês pensam! - responde ela. - Sou bela e atraente porque se assim não fosse seria muito fácil livrarem-se de mim. Minha natureza é delicada, normalmente sou discreta, quem tem a mim não se apercebe, mostro-me sempre disposta a ajudar a busca da luxúria.
Sentado em uma cadeira num canto da casa, um senhor, também velho, mas com o semblante bastante sereno, com voz doce e movimentos suaves, diz:
- Eu sou a Ira. Alguns me conhecem como cólera. Tenho muitos milênios também. Não sou homem, nem mulher assim como meus companheiros que estão aqui.
- Ira? Parece mais o vovô que todos gostariam de ter! - diz a dona da casa.
- E a grande maioria me tem! - responde o vovô. - Matam com crueldade, provocam brigas horríveis e destroem cidades quando me aproximo. Sou capaz de eliminar qualquer sentimento diferente de mim, posso estar em qualquer lugar e penetrar nas mais protegidas casas. Mostro-me calmo e sereno para mostrar-lhes que a Ira pode estar aparentemente manso. Posso também ficar contido no íntimo das pessoas sem me manifestar provocando úlceras, câncer e as mais temíveis doenças.
- Eu sou a Inveja. Faço parte da história do homem desde sua aparição. - diz uma jovem que ostentava uma coroa de ouro cravada de diamantes, usava braceletes de brilhantes e roupas de fino pano, assemelhando-se a uma princesa rica e poderosa.
- Como inveja? Se é rica e bonita e parece ter tudo o que deseja. –diz a mulher da casa.
- Há os que são ricos, os que são poderosos, os que são famosos e os que não são nada disso, mas eu estou entre todos, a inveja surge pelo que não se tem e o que não se tem é a felicidade. Felicidade depende de amor, e isso é o que mais carece na humanidade. Mortes e sofrimento, onde eu estou esta também a Tristeza.
Enquanto os invasores se explicavam, um garoto que aparentava cerca de cinco a seis anos brincava pela casa. Sorridente e de aparência inocente, característica das crianças, sua face de delicados traços mostravam a plenitude da jovialidade, olhos vívidos.
- E você garoto, o que faz junto a esses que parecem ser a personificação do mal?
O garoto responde com um sorriso largo e olhar profundo:
- Eu sou o Orgulho.
- Orgulho? Mas você é apenas uma criança? Tão inocente como todas as outras.
O semblante do garoto tomou um ar de seriedade que assusta o casal, e ele então disse:
- O orgulho é como uma criança mesmo, mostra-se inocente e inofensivo, mas não se enganem, sou tão destrutível quanto todos aqui, quer brincar comigo?
A Preguiça interrompe a conversa e diz:
- Vocês devem escolher quem de nós sairá definitivamente de suas vidas.
Queremos uma resposta.
O homem da casa responde:
- Por favor, dêem dez minutos para que possamos pensar.
O casal se dirige para seu quarto e lá fazem várias considerações.
Dez minutos depois retornam.
- E então? - pergunta a Gula.
- Queremos que o Orgulho saia de nossas vidas.
O garoto olha com um olhar fulminante para o casal, pois queria continuar ali. Porém, respeitando a decisão dirige-se para a saída. Os outros, em silêncio, iam acompanhado o garoto quando homem da casa pergunta:
- Ei! Vocês vão embora também?
O Menino, agora com ar de severo e com a voz forte de um orador experiente diz:
- Escolheram que o Orgulho saísse de suas vidas e fizeram a melhor escolha.
Pois onde não há Orgulho não há preguiça, pois os preguiçosos são aqueles que se orgulham de nada fazer para viver não percebendo que na verdade vegetam.
Onde não há orgulho não há Luxúria, pois os luxuriosos têm orgulho de seus corpos e julgam-se merecedores.
Onde não há orgulho, não há Cobiça, pois os cobiçosos têm orgulho das migalhas que possuem, juntando tesouros na terra e invejando a felicidade alheia, não percebendo que na verdade são instrumentos do dinheiro.
Onde não há orgulho, não há Gula, pois os gulosos se orgulham de suas condição e jamais admitem que o são, arrumam desculpas para justificar a gula, não percebendo que na verdade são marionetes dos desejos.
Onde não há orgulho, não há Ira, pois os irados têm facilidade com aqueles que, segundo o próprio julgamento, não são perfeitos, não percebendo que na verdade sua ira é resultado de suas próprias imperfeições.
Onde não há orgulho, não há Inveja, pois os invejosos sentem o orgulho ferido ao verem o sucesso
alheio seja ele qual for, precisam constantemente superar os demais nas conquistas, não percebendo que na verdade são ferramentas da insegurança.

18 janeiro 2010

Eu não gosto...



Eu não gosto de falar sobre o que todo mundo fala, não gosto de usar o que todo mundo usa e nem ir aonde todo mundo vai. Eu não gosto de comer o que todo mundo come, não gosto de beber o que todo mundo bebe, não gosto de assistir o que todo mundo assiste e nem de ler o que todo mundo lê. Eu não gosto de idéias pré-fabricadas, não gosto de política e nem de religião. Eu não gosto de gente medíocre, não gosto de gente alienada e nem mal educada. Eu não gosto de ingratidão, não gosto de exibicionismo e nem de palavrão. Eu não gosto de muitas coisas... mas gosto de tudo e todos que me fazem bem e feliz.


Tente, invente... seja diferente!

07 janeiro 2010

Pensamentos e Poesias - OTH


"Algumas vezes eu me pergunto se alguma coisa ainda é absoluta. Ainda existe o certo e o errado? Bom ou mal? Verdades e mentiras? Ou tudo é negociável, deixado para interpretação, cinza? Algumas vezes somos forçados a distorcer a verdade, transformá-la, pois encaramos coisas que não foram feitas por nós mesmos. E algumas vezes, as coisas simplesmente te alcançam. Porém, eu acho que a verdade ainda é absoluta. Acredite nisso. Mesmo que a verdade seja dura e fria, e mais dolorosa do que você jamais imaginou. E mesmo quando a verdade é mais cruel que uma mentira."


"Podemos encontrar o bom em qualquer um,
se você der uma chance a ele.
O beneficio da duvida.
As vezes, as pessoas te desapontam.
As vezes te surpreendem.
Mas você nunca conhece ele tão bem...
Até ouvir seu coração."


"As pessoas vivem te decepcionando, mas um dia você acorda, e descobre que quem decepciona é você."


'As vezes a vida é mais estranha q um sonho e a única maneira de acordar é enfrentar as mentiras que estão escondida em sua alma.'


"Não há desespero tão absoluto, como aquele que vem com os primeiros momentos de nossa primeira grande tristeza. Quando ainda não sabemos o que é ter sofrido e ter se curado. Ter se desesperado e recuperado a esperança."


"Muitas pessoas pensam que a felicidade somente será possível depois de alcançar algo, mas a verdade é que deixar para ser feliz amanhã é uma forma de ser infeliz."


"Talvez todos damos o melhor dos nossos corações para aqueles que raramente pensam em nós".


"Talvez todos nós damos nossos corações para as pessoas que mais nos farão sofrer."


' Eu reconheço que nem todo dia será ensolarado, mas quando você se encontrar perdido na escuridão e no desespero... lembre-se: é somente na escuridão da noite que podemos ver as estrelas. E nenhuma estrela o guiará de volta para casa. E não tenha medo de cometer erros ou de tropeçar e cair, pois na maioria as vezes os melhores prêmios vem quando se faz aquilo que você mais teme. Talvez você consiga tudo que deseja, talvez você consiga mais do que jamais tenha imaginado. Quem sabe até a onde a vida te levará? A estrada é longa e no fim... a jornada é o destino. '


O pesar é como oceano, é profundo, obscuro e maior que todos nós, e a dor é como um ladrão da noite... silenciosa, persistente, injusta, diminuída pelo tempo pela fé e pela dor.


“Não ser ninguém exceto você mesmo, num mundo que se esforça dia e noite para torná-lo igual a todo mundo é lutar a pior das batalhas que todo ser humano pode enfrentar e nunca deixa de lutar.”


“Parece haver uma espécie de ordem no universo no movimento das estrelas e na volta da terra e na mudança das estações. Mas a vida das pessoas é quase um puro caos. Todo mundo toma a sua posição, afirma o seu próprio direito e sensações, confundindo os motivos de outros, e o seu próprio!”


' nesse momento hα 6.470.818.671 de pessoαs no mundo .
' αlgumαs pessoαs estαõ fugindo αssustαdαs .
' αlgumαs estαõ voltαndo prα cαsα .
' αlgumαs mentem pαrα suportαr o diα .
' outrαs estαõ enfrentαndo α verdαde .
' αlgunsus indo contrα o bem .
' e outros bons lutαndo contrα o mαl .
' seis bilhões de pessoαs no mundo .
' seis bilhões de αlmαs .
' e αs vezes só precisαmos de umα !



(Seriado One Tree Hill)

04 janeiro 2010

Afinidade


Afinidade é um dos poucos sentimentos que resistem ao tempo e ao depois. A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil, delicado e penetrante dos sentimentos. É o mais independente. Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos, as distâncias, as impossibilidades. Quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto no exato ponto em que foi interrompido. Afinidade é não haver tempo mediando a vida.

Ter afinidade é muito raro. Mas quando existe não precisa de códigos verbais para se manifestar. Existia antes do conhecimento, irradia durante e permanece depois que as pessoas deixaram de estar juntas. O que você tem dificuldade de expressar a um não afim, sai simples e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.

Afinidade é ficar longe pensando parecido a respeito dos mesmos fatos que impressionam, comovem ou mobilizam. É ficar conversando sem trocar palavras. É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento.

Afinidade é sentir com. Nem sentir contra, nem sentir para, nem sentir por, nem sentir pelo. Quanta gente ama loucamente, mas sente contra o ser amado? Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo. É olhar e perceber. É mais calar do que falar, ou, quando é falar, jamais explicar, apenas afirmar.

Afinidade é jamais sentir por. Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo. Mas quem sente com, avalia sem se contaminar. Compreende sem ocupar o lugar do outro. Aceita para poder questionar. Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.

Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças. É conversar no silêncio, tanto nas possibilidades exercidas quanto das impossibilidade vividas.

Afinidade é retomar a relação no ponto em que parou sem lamentar o tempo de separação. Porque tempo e separação nunca existiram. Foram apenas oportunidades dadas (ou tiradas) pela vida, para que a maturação comum pudesse se dar. E para que cada pessoa pudesse e possa ser, cada vez mais a expressão do outro sob a forma ampliada do eu individual aprimorado.

(Arthur da Távola)

03 janeiro 2010

Strogonoff de Soja (PTS) - (minha receita)


-3 xícara de chá de PTS grande(clara ou escura - eu usei a escura) hidratada, espremida e cortada ao meio.
-Numa panela grande esquente 1/4 de xícara de chá de azeite de oliva, adicione a PTS, 1 cebola grande picada e 1 colher de sopa de pasta de alho e refogue tudo até dourar.
-Acrescenta 1 caldo de legumes dissolvido em 1/3 de xícara de chá de água quente.
-Junte 1/2 xícara de champignon cortado em fatias e 1/2 xícara de salsinha e cebolinha.
-Acrescente 1/2 caixinha de molho de tomate e 2 colheres de extrato de tomate.
-Agora acerte o sal.
-Por último adicione 1 caixinha de creme de soja.

Rendimento aproximadamente 8 porções.
Sirva com arroz branco ou integral e batata palha.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...