05 março 2012

Segunda sem A Vida Da Gente

"O senhor… mire, veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam, verdade maior. É o que a vida me ensinou." (Guimarães Rosa)


E a novela mais linda de todos os tempos acabou e hoje, segunda-feira, não tenho mais motivo para parar tudo às 18 horas, sentar no sofá, ligar a TV e ficar grudadinha na telinha, esperando para ver Ana, Manu, Rodrigo, Lúcio, a pequena e adorável Júlia, as bruxas Eva e Vitória, a piriguete Cris, a sábia Dona Iná e todo o núcleo da terceira idade, maravilhosos, o sonhador Marcos, as meninas incríveis Sofia, Alice, Bárbara e Olivia, o casal Cícero e Suzana que se reencontraram dentro do próprio casamento, aquele que se tornou um grande paizão, Lourenço, a desbocada Nanda, e todos os demais personagens que na sua singularidade, me cativaram, a ponto de não perder um único episódio, essa foi a minha rotina durante meses, entrar nesse mundo de faz de conta tão cheio de realidade.

"Ninguém entra no mesmo rio uma segunda vez, pois quando isso acontece já não se é o mesmo, assim como as águas, que já serão outras." (Guimarães Rosa)

Estou triste, estou saudosa, estou órfã de novela. Eu torci pela Manu, sofri com a Ana e fiquei confusa com o Rodrigo. Me identifiquei diversas vezes, afinal, tratava-se da vida, a vida da gente, e lá em vários momentos eu pensava, "caramba... essa é a minha vida, ou eu já passei por isso, eu sei bem o que é se sentir assim..." enfim, a novela mais realista que já assisti. Sem vilãs ou heroínas, apenas personagens normais, sobrevivendo aos percalços, aguentando as desilusões e saboreando as alegrias da vida.


Show de atuação, Marjorie Estiano e Fernanda Vasconcelos, como essas jovens atrizes são talentosas, fortes emoções em todas as cenas que faziam juntas, a última briga então, UAU!!!!!! Rafael Cardoso (Rodrigo) me arrancou muitas lágrimas também. E a pequena, bela e minha conterrânea Jesuela Moro (Júlia), como essa criança cresceu em cena ao longo da novela, quanta delicadeza, sempre me deixava com um sorriso gostoso no rosto. E claro, a veterana Nicete Bruno, como Dona Iná, nos ensinando que tudo faz parte da vida e que as pessoas são o que são, mas qualquer um pode mudar, melhorar, basta querer de verdade.

E por falar em mudar, foi assim com o Lourenço (até caneca Paizão ele ganhou - aparece na última cena com ele, no último episódio), a Nanda (criando o filho do amado e se virando sem a mesada do pai) e a própria Ana (se livrando de todas suas paranóias mal resolvidas por conta do tempo em que ficou dormindo), mas ao contrário, Eva, Jonas e Marcos não se mostraram tão dispostos a melhorar e permaneceram os mesmos, até o fim (para sempre).

"Um brinde a ele, que esculpiu no meu rosto e na minha alma aquilo que tanto me orgulho... ao tempo." (Dona Iná)

Uma palavra para descrever a novela: PERFEITA!!! Abertura, música, elenco, figurino, cenário, fotografia, direção, produção, cores... tudo tudo tudo perfeito!


Ana de vermelho, sua cor, talvez, para mim, significava muito mais, a vida. Quando ela estava em coma, o vermelho estava na Júlia, na decoração do quarto do hospital, depois quando acordou, nas suas roupas, sapatos e acessórios. A cena final, ela na porta do Lúcio, de vestido branco, e ao pisar nos pés do amado, a câmera filma sua sapatilha vermelha, achei muito lindo esse toque, emocionante. Enfim, até as cores na novela faziam parte da história. 



Tempo Tempo Tempo Tempo

A Vida Da Gente é isso, imprevisível, as pessoas são imperfeitas, nem todo mundo tem a família que merece, só o amor não basta, e se o tempo não cura tudo, ele pelo menos, melhora as coisas, porque o tempo não para, e sempre vai despejar novas surpresas nos nossos dias, a nós só resta, estarmos preparados para receber tudo isso, da melhor maneira possível, afinal, "nada é permanente, a não ser a mudança."

"Todo mundo erra e acerta, todo mundo alterna força e coragem, generosidade, egoísmo, grandeza, mesquinhez, decisões mais ou menos sábias, enfim, tudo faz parte de todos nós." (Lícia Manzo)


Eu amei essa novelinha, tudo, do início ao fim, achei o final perfeito, torci muito pela Manu ficar com o Rodrigo, e Ana com o Lúcio, adorei. Cada personagem me cativou a sua maneira, não consegui ter só amor ou só ódio por nenhum, como disse, as pessoas são imperfeitas, e a autora conseguiu nos mostrar e equilibrar isso perfeitamente ao longo da novela, os sentimentos mudavam o tempo todo, como na vida da gente. 

Espero que Lícia Manzo nos dê o prazer de uma nova novela em breve, tão bela quanto essa, e que a Rede Globo passe a lançar as novelas em blu-ray, vou ser a primeira a comprar A Vida Da Gente.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...